Jóias e Sentimentos

Maria João Baía
Maria João Baía | Autor & Designer

O meu mundo profissional desenvolve-se há mais de 35 anos na joalharia. Foi há quase quatro décadas que criei a minha própria marca. Embora estabelecida com solidez, sobretudo através da montra que é a loja na Avenida da Liberdade, a chancela Maria João Bahia continua a crescer e 2019 apresenta-se, aliás como um ano auspicioso com múltiplos projetos a germinar com boas expectativas de virem a concretizar-se com êxito e a enriquecerem o nosso património. Digo-o sem hesitar: a minha marca é uma projeção de identidade. Nas joias que desenho, posteriormente concretizadas no meu atelier, está um reflexo da minha experiência de vida, do modo como vejo o mundo evoluir, e das impressões que capto, mobilizadoras, formadoras, afetivas. A carga transmitida para o objeto é intensa – e apenas nessa intensidade a antevejo. Transferir emoções para joias como acontece quando desenho uma peça encomendada para um destinatário específico confere-lhes quase uma vida própria, uma alma. Quem me dera ficar com todas elas para mim… Mas que outro luxo pode equiparar-se à circunstância de alguém usar uma joia com a qual se identifica, que foi construída a partir de memórias de vivências e sentimentos pessoais? Joias sentimentais – que para lá do valor material, são capazes de nos contar histórias, evocar recordações ou apelar à nossa memória coletiva?

Creio que é esta exclusividade que hoje as pessoas procuram. Peças de adorno únicas com as quais podem estabelecer uma relação afetiva, que um dia poderão legar às gerações futuras e, como tal, perpetuar no tempo um rasto de recordações.